segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O CORAÇÃO DAS TREVAS

BIS

Título original: The heart of darkness
Autor: Joseph Conrad (1857-1924)
Tradução: Celso M. Paciornik
Editora: Iluminuras
Assunto: Romance (Literatura estrangeira)
Edição: 2ª
Ano: 2002
Páginas: 114

Sinopse: O livro escrito em 1899, apresenta a narrativa de Charlie Marlow, um alter ego de Joseph Conrad, sobre suas experiências nos confins da África. Marlow descreve os sombrios horrores enfrentados no coração da selva africana, como a morte iminente e a bárbara selvageria dos nativos. O objetivo de Marlow nesse ambiente hostil é encontrar o Sr. Kurtz, personagem envolto em certo misticismo. No decorrer de sua jornada, os caracteres da personalidade de Kurtz são apresentados, alçando paulatinamente esse personagem à uma condição divina. Entretanto, quando o encontro entre os dois finalmente acontece sobra certa decepção com o desfecho, dadas as expectativas criadas no decorrer da viagem.

Interpretação da obra:
Para compreender a obra de Joseph Conrad, é preciso saber interpretar os aspectos simbólicos fartamente utilizados por ele. Se você ler a obra dogmaticamente, não vai compreender nada.
Joseph Conrad usa a África como uma metáfora da condição humana, da qual não estão excluídos os abismos e os horrores. Ele penetra num mundo estranho, quase surrealista.
O que Joseph Conrad quer nos contar é o dilema moral do ser humano e o caos do mundo em que vivemos. Mostra-nos a sociedade enlouquecida criada por Kurtz, que assume nesta sociedade, o papel de Deus, decidindo quem deve e quem não deve morrer. Nos mostra, ainda, que o ser humano vive num mundo concreto, natural e contraditório, onde existem aspectos benignos e malignos, tal qual a natureza que é também potencialmente contraditória e onde se encontram forças de sustentação e forças de repúdio.
O homem não é 100% natureza. Há uma parte nele que não pertence à natureza e que não é humana, mas Divina (o espírito que corresponde ao intelecto, à sabedoria e ao conhecimento instantâneo da realidade). O intelecto (não é a mente ou a razão) faz a ligação do homem material com o mundo transcendente, onde está a Verdade. E nós humanos somos prisioneiros dessa tensão que é a essência da vida humana. Platão dizia que o homem é o intermediário entre o animal e o anjo.
Quando Kurtz retorna para a “civilização”, à beira da morte, desvela um pouco mais do mistério de tudo e emite sua expressão final antes de se quedar sem vida: “o Horror! o Horror”, ele prenuncia o julgamento de sua alma na Terra. Marlow já não é o mesmo, frente à iluminação final de Kurtz.
(Prof. José Monir Nasser)

Conclusão:
Os mistérios em torno dos personagens de Conrad simbolizam a impenetrabilidade misteriosa da alma humana, e as suas complicações.
O autor:

Jósef Teodor Konrad Korzeniowski nasceu em 1857, na cidade de Berdichev, na Ucrânia, uma região que foi parte da Polônia, mas na época estava sob controle russo.

Palavras de Joseph Conrad, talvez um dos mais vicerais escritores que a literatura ocidental já produziu.

“O objetivo que tento atingir, pelo poder da palavra escrita, é fazer você escutar, fazer você sentir e acima de tudo, fazer você ver. Isto, e nada mais, é tudo”.
“Vivemos como sonhamos - sozinhos”

9 comentários:

W FP disse...

Olá
Seu blog é simplesmente maravilhoso, não há nada assim na internet no que concerne a boa literatura. Eu sou um leitor ávido já a algum tempo, embora agora esteja em crise, achando dificuldade em ler algum livro até o final. As vezes meu problema é com a compreensão de alguns simbolismos usados, como por exemplo, em Shakespeare. Eu li três obras dele, inclusive algumas já faladas aqui, mas senti que não li nada, pois só depois eu achei esse site, e compreendi melhor os simbolismos que ele utiliza. Enfim, eu to com um livro que eu peguei da biblioteca, é do Autor Morris West. Ele presta ? Provavelmente terei que reler muito dos livros que eu não compreendi da primeira vez. Queria uma dica, sobre como ter maior aproveitamento na leitura de um clássico. Moby Dick é outra obra que eu li, e amei. Achei sensacional, embora não sinta que tenha aproveitado 100% do livro, perdendo algumas possíveis interpretações, que depois eu li na sua resenha ao livro.

Anatoli. disse...

Caro W FP:
Primeiramente, meus agradecimentos pelos elogios ao meu blog.
A dificuldade da leitura simbólica é algo grave e acentuado neste país. O homem contemporâneo foi perdendo a capacidade de ler simbolicamente a porto de ler uma simples notícia de jornal e não compreender o que leu nas últimas 10 ou 15 linhas.
Só há uma solução: muito esforço, estudo, dedicação na leitura de obras clássicas. Você ao ler uma obra, deve conversar com o livro, fazer perguntas ao autor, anotar à margem e procurar respostas no próprio livro de suas dúvidas e perguntas. Se não encontrar, o que é raro, vá buscar em outras fontes. Leitura não é laser, é transpiração.
Você pergunta de Morris West. Eu não perderia tempo que é escasso e valioso, lendo os livros deles, quando há tanta coisa excelente para ser lida. Por exemplo: procure neste blog a sinopse do livro "A Morte de Ivan Ilitch" de Lev Tolstói é veja que lição de vida o autor nos dá nesta fantástica novela.
Moby Dick ao lado de "O Senhor dos Anéis" foram os dois melhores livros escritos no século XX no mundo Ocidental.
Espero ter ajudado de alguma forma.

W FP disse...

Olá
Ajudou muito na verdade,tudo que eu precisava era de uma dica valiosa e um ponta pé inicial pra mergulhar em alguma obra que valha a pena, e o senhor me deu exatamente aquilo que eu precisava. Vou olhar a resenha aqui da "A Morte de Ivan Ilitch" , e já locar na segunda o livro se estiver disponível na biblioteca daqui.
Muito Obrigado e que o seu Blog ajude muitos outros assim como está me ajudando. Abraços

W FP disse...

Olá de novo
Estou lendo já há dois dias a obra que você me recomendou,A Morte de Ivan Ilitch, de Lev Tolstói. Acho que estou conseguindo captar bem os pormenores da história, graças a resenha deste blog. Isso tá fazendo que a experiencia seja bem mais rica do que eu imaginava. Eu queria perguntar a respeito, de duas outras obras de Lev Tolstói, que vieram juntos com a novela, ambas bem curtinhas também, e parecem ser contos. O nome delas é O Diabo e a outra é Padre Sergio. Li alguma coisa sobre elas na internet, e parecem ótimas opções para lerem em seguida. São boas obras também ?
Agradeço desde de já pela ajuda
Abraços

Anatoli. disse...

Caro W FP:
Fico contente que esteja gostando do livro que indiquei. Agradeço pelos elogios que recebo.
Todo grande autor durante sua vida produz obras maiores (magnas) e obras menores. As obras magnas de Tolstói são: "Guerra e Paz", "Ana Karenina" e esta que você está lendo. As demais estão classificadas em obras menores. Não que sejam de todo ruins, mas não alcançam, nem de longe, a magnitude das obras magnas.

Nicai disse...

Boa noite. Salve Maria!

Parabenizo-o pelo excelente blog, algo raro de se ver na Internet.
Em várias horas durante dois dias, visitei cada uma de suas páginas e li integralmente diversas publicações. Notei que durante esse tempo somente constava um visitante (que so podia ser eu). Com isso, percebi que, não so por isso, mas pelo número de comentários, o blog é pouquíssimo visitado, talvez pela pouca divulgação, como comentou alguém em seu blog. Quem sabe não seria bom usar uma estratégia para divulga-lo com maior ênfase, nestes quase infindáveis mares da Internet?!

Ad Iesum per Mariam.

Eduardo

Anatoli. disse...

Caro Eduardo:
Obrigado pelo elogio ao blog e pelas considerações.
De fato, é um blog pouco visitado. Em quase 6 anos de existência ainda não alcançou 100 mil visitas. Comentário, como o amigo bem observou, quase inexistem. É lamentável, pois o objetivo foi de retransmitir literatura de primeira linha e parece que as pessoas não se interessam por ela. O seu comentário é pertinente, mas também há a hipótese de que as pessoas não mais se interessam por bons livros, os que fazem pensar, meditar e colher bons frutos. Vemos uma época do volátil, do efêmero onde mais que duas linhas apresenta-se como cansativo.
Vou explorar mais a sua sugestão para revitalizar o blog.
Um grande abraço e, mais uma vez, grato pela visita, elogios e sugestão.

Italo F Vieira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anatoli. disse...

Um comentário de um leitor indicando um livro, foi removido por ser contrário aos princípios religiosos do proprietário deste blog e por ser uma obra sem nenhum valor para a literatura clássica.